TOSHITSUGU TAKAMATSU

Hisatsugu (Toshitsugu) Takamatsu (高松 寿嗣 – Takamatsu Hisatsugu), nasceu no Japão em 10 de março de 1887, na cidade de Akashi, de uma família acomodada, proprietários de uma fábrica. Chamado Hisatsugu por seus pais, ele mudou seu nome mais tarde para Toshitsugu. Assistia a escola inglesa de Kobe, cursando depois estudos no colégio Chinês de Literatura. Amante da arte e da poesia.
Durante sua vida foi conhecido pelos seus vários apelidos, Nakimushi (bebê chorão), Neko No Yamamoto (O Gatinho de Yamamoto), Kikaku (鬼角 – chifres do demônio), Moko No Tora (蒙古の虎 – Tigre da Mongólia). Agora é mantido em memória como o Bujin (o guerreiro divino) de Bujinkan, nomeado em sua honra por Sensei Hatsumi.
Foi iniciado no Ninjutsu aos 9 anos de idade por seu tio, o qual pertenceu à classe samurai na província de Iga e por seu avô Masamitsu Toda, que foi supervisor dos mestres de espada nas escolas do governo do Shogun Tokugawa e tinha um Dojô e uma clínica de ossos em Kobe. Tendo instruído seu neto inicialmente nas escolas Koto Ryu e Togakure Ryu, todo dia depois da escola ele podia ir ao Dojô para instrução pessoal pelo Sensei Toda.
Inicialmente, não foi falado nem mesmo ensinado à ele nenhuma técnica, simplesmente foi arremessado em volta do Dojô pelo Sensei Toda até o sangue escorrer de seus joelhos e cotovelos. Sensei Takamatsu dizia depois que cada dia em seu caminho para o Dojô, ele se sentia um cordeiro sendo deixado no abatedouro. Depois de um ano cheio daqueles respectivos arremessos, Takamatsu começou a aprender a verdadeira técnica.

Do Sensei Toda ele herdou os estilos de Shinden Fudô Ryu Jujutsu, Gyokko Ryu Koshijutsu, Shinken Koto Ryu Karatejutsu, Koto Ryu Koppojutsu, Gyokushin Ryu Ninjutsu, Kumogakure Ryu Ninjutsu e Togakure Ryu Ninjutsu.

Seu pai Yosoburo educou-o para que seguisse a carreira militar mas numa briga ainda jovem, sofreu uma rotura no tímpano, tendo ficado isento da mesma. Quando criança seu nome era Jutaro (寿太郎). Aos seus 13 anos praticava diariamente a arte de Koto Ryu Koppojutsu para adquirir sua licença Shinden Fudô Ryu. Nessa idade venceu um lutador profissional de Sumô de 143 kg. Dois anos depois era chamado de Kotora (子虎 – Pequeno Tigre). Esse mesmo ano, o jovem Jutaro, no Dojô de Masamitsu Toda (32º Grão mestre da Togakure Ryu), lutou e venceu o seu oponente com um Gyaku Ganseki Otoshi (lançar o adversário ao chão de cabeça). Por volta dos 13 anos, enquanto estudava em uma escola Inglesa em Kobe, Jutaro entrou para o Dojô de Misuta Yoshitero Tadafusa, onde treinava dia sim dia não para aprender o estilo Takagi Yoshin Ryu. Aos 17 anos, na fábrica de seu pai conheceu Takakage Matsutaro Ishitani (cujos antepassados tinham sido Chunin Ninjas nas tropas de Jonin Hanzo Hattori, da escola de Iga Ryu) que prestava serviços de segurança na fábrica de Kobe.

Ishitani soube que havia encontrado herdeiro para sua arte Kukishinden Ryu. Depois de anos de intenso treino concederam-se os pergaminhos secretos (Denshô) e o título de 27.º grande mestre de Kukishinden Ryu Happo Hiken Jutsu, além dos estilos Hontai Takagi Yoshin Ryu e Gikan Ryu Koppojutsu.

Aos 21 anos partiu para China, regressando depois, já falecida a sua noiva Kokane, Jutaro adoeceu de beriberi (solitária) e tinha afetado os pulmões. A sua avó tratava dele mas seu pai mandou-o regressar para não ir contra a lei dos Ninjas mesmo que a vida lhe custasse. Para evitar um confronto entre sua avó e seu pai, Jutaro abandonou a casa de sua avó na ausência dela. Dirigiu-se à montanha Mayasan (Maya era mãe de Buda), instalando-se nas cataratas das tartarugas. Durante a sua doença recordava os ensinamentos de seus mestres Toda, Ishitani e Mizuta.

Um ancião eremita curou-o e ensinou-lhe os segredos da natureza. Quando se sentiu curado das suas doenças praticava ao amanhecer na cascata exercícios de Koto e Togakure Ryu. Quando estava em perfeito estado tomou o nome de Kikaku (鬼角 – Chifres do Diabo).

Depois de permanecer vários meses mais nas montanhas, viajou através da China estudando com os melhores mestres de Boxe Chinês. Competiu em várias provações e nunca foi derrotado. Neste tempo ganhou o apelido “Moko No Tora” (蒙古の虎 – Tigre da Mongólia).
Jutaro esteve na China durante 10 anos após a morte de sua noiva, por lá foi empregado por muitos mestres da guerra na Manchuria e na China setentrional. Durante esse tempo a reputação de Jutaro era a de um guerreiro completamente formado.
Lutou várias vezes como resultado de desafios pessoais, aos 26 anos foi desafiado por um mestre de Kung-Fu Shaolin de 113 Kg chamado Cho Shiryu. A terceira vez que desafiou, Jutaro aceitou. Concebeu num sonho a técnica do “Baile da Borboleta”. No sonho viu um demônio vermelho, que com uma pesada barra de ferro, tentava apanhar uma pequena borboleta, mas esta sem esforço esquivava dos golpes. O combate ocorreu na praça da colônia inglesa e o árbitro foi o nobre senhor Ren, tio do imperador da China. Depois de duas horas de combate, os movimentos de Cho Shiryu tinham se tornado lentos (ponto fraco dos lutadores pesados), a sua visão estava nublada pelo constante suor. Jutaro limitara-se a se esquivar. No fim o senhor Ren parou o combate porque Cho Shiryu não tinha oportunidade de ganhar. Deste confronto nasceu uma irmandade entre ambos os oponentes.

Durante sua estada na China, teve vários combates. Em um destes combates, um soldado a cavalo ia perseguindo-o. Takamatsu Sensei estava desarmado, mas havia uma espada no solo. Quando o soldado começou a preparar sua arma de fogo, tentando atirar em Takamatsu Sensei, ele correu, rolou e pegou a espada e a lançou cortando a cabeça do soldado.

Outra história faz referência a uma ocasião na qual foi atacado nas montanhas da China por vários bandidos. Lutou contra todos eles até que fugiram. Um dos bandidos agarrou Takamatsu Sensei pela cintura. De repente o bandido caiu para trás, diretamente ao solo, cobrindo o rosto. Mais tarde Takamatsu Sensei disse que não sabia o que havia feito ao bandido, pois somente sentiu algo úmido e quente na mão. Quando abriu a mão, encontrou um olho, logo em seguida Takamatsu Sensei o socorreu dando os primeiros socorros ao bandido.
Enquanto esteve na China, a família Kuki, detentores da Kukishinden Ryu, perderam o contato com ele, duvidando que ele retornaria ao Japão, foi então que concederam a Iuani Nangaku o título de herdeiro dos ensinamentos da escola, assim quando Takamatsu eventualmente voltasse, sua posição tinha sido preenchida. Em seguida, as escrituras e documentos da família Kuki foram destruídas pelo fogo. Mas Sensei Takamatsu foi hábil para reconstruí-los, de suas notas e memórias e presenteando-os para a família Kuki.

Pelos seus serviços ele teve a permissão para criar uma sub-escola chamada Kukishinden Ryu contendo o que ele pensou ser melhor e mais apropriado para os ensinamentos Kukishinden.

Seus professores Toda, Mizuta e Ishitani tinham passado todos os caminhos por esse tempo e Sensei Takamatsu agora treinava um pequeno grupo de estudantes em um Dojô que ele chamou de Sakushin.

Em 1919 voltou para casa e dedicou-se à estudar os ensinamentos da seita budista tântrica Mikko. Posteriormente, aos 30 anos de idade foi ordenado sacerdote Mikko Thendai-Shu no mosteiro Hihei de Kyoto. Tinha encontrado o
equilíbrio perfeito ao poder espiritual e ao poder do guerreiro.

Depois de seus anos como sacerdote, Takamatsu casou-se aos 32 anos em matrimônio com a jovem Uno Tane, que nasceu em 28 de junho de 1897 e morreu em 4 de fevereiro de 1991. foram morar à oeste de Iga, na cidade de Kashiwara. Eles adotaram uma garota de nome Yoshiko. Seu pai (高松義心弥三郎 – Takamatsu Gishin Yasaburô), dono de uma fábrica, recebeu o título de Dai-Ajari (大阿闍梨 – mestre) em Budismo Shingon (眞言), de um sacerdote da montanha de Kumano (熊野). Seu Dojô foi chamado de Sakushin (策心 – Cultivando o espírito).

Takamatsu Sensei estava uma vez em uma loja, quando vários gângsters da Yakuza entraram e exigiram dinheiro de proteção do dono assustado. Takamatsu agarrou um deles, e o prendeu na loja. Os outros ele mandou de volta ao chefe deles e lhes disse que digam que “Jutaro” estava na cidade. O chefe enviou uma mensagem que dizendo que a loja permaneceria só. Não se sabe se o chefe de Yakuza fosse um amigo de Takamatsu, ou se ele tivesse sido derrotado por Takamatsu em uma briga quando criança.

Aproximadamente aos 65 anos, enquanto ele estava caminhando, ele se encontrou com vários homens que batiam em um homem velho e na filha jovem dele. Os assassinos tinham hostilizando o homem por dinheiro de proteção que era algo que ele não pôde dispor. Takamatsu pisou adiante, e lhes disse que deixassem o homem em paz. A quadrilha não tinha medo de Takamatsu, até que ele chamou o líder deles de “Bozô” (menino de cabeça raspada). Chamando o líder deles de Bozo era um insulto que poucos ousariam dizer.

Takamatsu disse novamente que eles deveriam deixar o homem e a filha dele em paz, e então ele lhes disse para voltar para o chefe deles e contar que Moko No Tora dizia que eles deveriam deixar estas pessoas em paz. Bozô enviou um dos homens dele ao líder da quadrilha que tinha herdado a quadrilha de mais de 15.000 homens de seu pai. Ele apressou-se imediatamente à cena para ver Takamatsu. Ele disse que pensou que Moko No Tora estava morto. Imediatamente ele concordou em deixar a família em paz, com medo de Takamatsu. O líder enviou pacotes de flores então à família como pedido de desculpa.

Na década de 60, Takamatsu Sensei escreveu uma série de artigos no “Japan Times” (importante meio de comunicação do Japão). Todos estes artigos falaram de Ninjutsu, Budô e Bujutsu.
Em um dos artigos, Takamatsu escreveu que nas Artes Marciais, quando se tratava de combate real, era necessário estar preparado para matar o seu atacante.
Após ler o artigo, um mestre de Karatê apareceu na televisão e disse que o que Takamatsu havia escrito era errôneo, velho, não mais necessário nos dias de hoje. Ele chamou Takamatsu de “passado”. Após conseguir uma entrevista na televisão, Takamatsu disse que ele era o passado vivo e que entendera os comentários como um desafio, do qual ele aceitara. Takamatsu deu três dias para que o mestre de Karatê se retratasse publicamente dos seus dizeres. Se isso não ocorresse, Takamatsu iria lutar com ele com uma mão amarrada nas costas. Antes do término dos três dias, o mestre de Karatê se retratara.

Toshitsugu Takamatsu enfrentou aproximadamente 19 lutas, das quais apenas 7 foram em competições e 12 foram até a morte. Combates mortais eram consequência de sua fama, que incomodava outros artistas marciais. Para que pudesse sobreviver, ele ensinava artes marciais por toda a China. Chegou a ter cerca de 800 alunos, entre chineses, japoneses, franceses e americanos. Ensinava a, mais ou menos, 80 alunos por dia. Assim, conseguiu realmente ganhar bastante dinheiro para tempos difíceis como aqueles.

Após a invasão da China pelo Japão, na Manchúria foi criado pelos japoneses um estado chamado Manchukuo, onde Takamatsu foi nomeado presidente da Nippon Minkoku Seinen Botoku Kai (Organização Japonesa de Artes Marciais). Tudo isso aconteceu antes que ele completasse 30 anos de idade. Depois de ter passado 10 anos na China, Takamatsu retornou ao Japão, em 1919, onde tornou-se monge do monastério Tendai, nas montanhas Hiei, perto de Kyoto. Mais tarde ele passou a ser um dos líderes do monastério. Assim, ele arrependia-se pelos “pecados” de sua juventude.

Depois da Segunda Guerra Mundial Takamatsu investiu seu tempo em treinar seus sucessores de suas tradições marciais. Por volta dos seus 70 anos conheceu seu melhor estudante e amigo, Masaaki Hatsumi, com qual treinou durante mais 15 anos na cidade de Nara e teve como seu principal sucessor, herdeiro de 9 escolas, o mestre Masaaki Hatsumi o qual mantinha com ele uma forte amizade. Ao fim de seus dias nomeou a Masaaki Hatsumi, Sôke dos 9 Ryus.

Um dia Takamatsu e Hatsumi estavam sentados na casa de Takamatsu conversando. Takamatsu em certa hora pediu que Hatsumi fechasse seus olhos. Takamatsu saiu do quarto sem fazer barulho. Voltou, então com uma espada atacou Hatsumi usando Jumonji Kiri que são dois cortes: um vertical e um horizontal.

Hatsumi conta que ele sentiu algo errado e se moveu lateralmente, então ele sentiu que devia pular para a frente. Após isso, Takamatsu disse a Hatsumi que ele tinha o sentimento (Sakki) e presenteou Hatsumi com a espada que usou para atacá-lo. Após isso, Hatsumi recebeu o Menkiyo Kaiden.
Posteriormente, Masaaki Hatsumi fundou a Bujinkan, em homenagem a seu mestre – Toshitsugu Takamatsu, onde passou a ensinar as tradições que recebeu.

Toshitsugu Takamatsu morreu em 2 de abril de 1972, com 85 anos de idade, e foi sepultado no cemitério de Kumedra (久米寺), na cidade de Kashihara (橿原), perto da cidade de Nara (奈良), que foi o último local onde viveu. Ele foi um grande homem e exemplo de verdadeiro artista marcial, sendo considerado o “Último Guerreiro Ninja”, que esteve envolvido em combates reais. Os praticantes da Bujinkan são orgulhosos em poderem participar de uma tradição que proveio deste grande homem.

Poema escrito por Takamatsu Sensei para Hatsumi Sensei:

Muito tempo atrás era um guerreiro perfeito da tradição Koppojutsu.
Era corajoso e intenso como o fogo.
Mesmo em batalhas contra animais perigosos.
Tenho um coração que é como as flores silvestres do prado.
E ainda assim tão reto e verdadeiro quanto o bambu.
Nem mesmo milhares de inimigos podem me causar medo.
Quem é no mundo capaz de manter viva esta vontade do coração do guerreiro?
Você é.
Isto me foi enviado pelos Guerreiros Divinos (Bujin).
Estive te esperando aqui há muito tempo.

CONTATO

 

Telefone:
Galleni Junior: (11) 98131-9560 WhatsApp
e-mail: junior@bujinkansp.com

Dias e Horários das Aulas:
Sábado: Das 16:00h às 18:30h
(Grupo no Facebook)

Endereço:
Rua Joana Angélica, 135
São Caetano do Sul - SP
(Academia Fight & Fit)
(Ver Mapa)

FACEBOOK

 

INSTAGRAM

 

PUBLICIDADE

 
Cart Item Removed. Undo
  • No products in the cart.
error: Conteúdo Protegido!!! Achou que ia ser fácil roubar de um site de Ninja?!